Uma decisão estratégica

Publicado em 16 setembro 2017

No próximo dia 18, o Conselho Deliberativo do Clube Atlético Mineiro reunirá os seus 467 membros para uma decisão estratégica. Tão importante, que eu, como atleticano apaixonado e como empresário obrigado pela função a considerar, permanentemente e de forma objetiva, o futuro no planejamento de cada empreendimento, ouso arriscar que esta será a decisão de maior relevância na história do clube. Os conselheiros decidirão se o Galo levará adiante ou não o projeto de implantação de seu próprio estádio, a Arena MRV. Mas, estarão decidindo muito mais do que isso. Os conselheiros decidirão, principalmente, se o Atlético estará ou não entre o limitado número de agremiações consolidadas no – cada vez mais exigente –  cenário futebolístico nacional e mundial.   

Essa não é uma convicção só minha. Outros combativos torcedores pelo sucesso do Galo compartilham a mesma visão objetiva sobre as exigências futuras para que um clube de futebol ocupe uma das poucas vagas permanentes e significativas no panorama esportivo de um futuro próximo. Há cerca de cinco anos – ainda na administração do Presidente Alexandre Kalil – alguns de nós começamos a perceber a rápida mudança da realidade futebolística decorrente da facilitação dos transportes e das comunicações, em um processo que costuma ser descrito como integração e globalização. Em termos práticos, fomos diagnosticando as razões pelas quais os campeonatos regionais ou locais foram perdendo importância relativa, ao mesmo tempo em que torneios internacionais ocupavam, cada vez mais, o interesse do público, o apoio do marketing esportivo e o calendário futebolístico anual.  Nos estágios iniciais do processo, nem sempre claramente percebidos por todos, clubes com significativo histórico de sucesso e com participação tradicional em torneios locais foram sendo progressivamente afastados das competições principais, rebaixados a categorias inferiores ou simplesmente desaparecendo. Aqui mesmo em Minas Gerais, já tivemos a participação combativa e tradicional, nas competições principais, de clubes como Siderúrgica, Valério, Democrata, Ipatinga e outros. Esse peneiramento que resultou em um número menor de clubes competitivos não ocorreu apenas em Minas Gerais. Foi uma característica nacional e mundial. No Rio de Janeiro, por exemplo, agremiações tradicionais como o Bangu e o América tentam, sem muito sucesso, recuperar a posição que já tiveram em um passado glorioso, quando, inclusive, chegaram a fornecer jogadores para a seleção brasileira e a levantar títulos estaduais. Se formos analisar, o fenômeno alcançou também o futebol paulista – o mais robusto do país em numero de agremiações, de organização e de movimentação financeira.  Por lá, a peneira funcionou também, retirando do palco principal, agremiações populares como a Portuguesa e o Juventus, por exemplo.

Quem analisa essa questão com mais cuidado e profundidade firma a convicção de que, no Brasil do futuro quase imediato, haverá espaço para não mais do que cinco ou seis clubes de futebol com real expressão, segurança patrimonial, consistência estrutural e apelo popular para garantir presença consolidada nas principais competições e torneios. É o que se vê, também, em outros países e regiões adiantadas futebolisticamente. Existem, hoje, muito poucos times de expressão nacional na Alemanha, na França, na Itália, na Espanha e até mesmo na Inglaterra; e essas mesmas agremiações ocupam espaços cada vez maiores do seu calendário em competições internacionais e em torneios continentais.

Em nosso país, das cinco ou seis vagas nesta seleção de clubes principais, duas delas já parecem ocupadas pelo Corinthians e pelo Flamengo, por razões que não caberiam no curto espaço deste comentário. Em minha opinião e na de muitos outros atleticanos conscientes, o importante é garantir a presença do Galo nas três ou quatro possibilidades remanescentes. E, para isso, é preciso agregar, a todos os demais ingredientes que o Clube já ostenta, a exigência adicional de possuir uma “casa própria”, ou seja, um estádio moderno e compatível com as necessidades das grandes competições internacionais: a Arena MRV. Sem ela, a vaga nesta disputada seleção de clubes de grande expressão e personalidade escapará por entre os nossos dedos. Isso é pensar grande e olhar o futuro de modo prático e positivo. No dia 18, os Conselheiros do Galo devem ter em mente que esse cruel, mas inexorável, processo de peneiramento não oferecerá uma segunda chance. 

  • COMPARTILHE:

Deixe uma resposta O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também

É muito bom investir no esporte!

Publicado em 16 novembro 2016

1 comentários

Atualmente, a MRV Engenharia é a empresa privada brasileira que mais investe em marketing esportivo e no patrocínio de clubes e atletas. Levamos muito tempo para alcançar essa posição. Foi uma jornada. Mas, rendeu bons frutos e nos ensinou muito.Tudo começou em 1996, logo após os Jogos Olímpicos de Atlanta, onde as meninas do Brasil haviam conquistado a histórica Medalha de Bronze no voleibol de quadra. Apesar dessa importante vitória, algumas das nossas melhores atletas voltavam para casa sem...
Leia mais »

Como Afastar a Raposa do Galinheiro?

Publicado em 22 dezembro 2015

8 comentários

Ao contrário do que muita gente pensa, o futebol é o esporte mais popular do mundo, ou seja, é aquele com maior número de adeptos, praticantes e aficionados em todo o globo. Essa popularidade extravasou dos continentes originais, Europa e América do Sul, e passou a alcançar multidões na África e na Ásia, já ombreando com outras modalidades esportivas até mesmo nos EUA. Estima-se que, hoje em dia, o futebol movimente recursos financeiros da ordem de U$ 250 bilhões por ano, com as suas promoções,...
Leia mais »

A Fase Atual do Futebol no Brasil

Publicado em 30 julho 2015

1 comentários

Logo após o desastre da Copa perdida em 2014, publiquei neste blog o tópico "Lições da Maior Derrota do Futebol Brasileiro" em que esmiucei a necessidade de uma ampla reforma naquele esporte, alcançando jogadores, treinadores, árbitros, dirigentes, clubes, associações desportivas e demais instituições encarregadas do nosso futebol. Quando esperávamos uma reação imediata e eficiente àquela tragédia, descobrimos que o quadro poderia se deteriorar ainda mais. Tínhamos chegado ao fundo do poço, mas...
Leia mais »

Futebol e etc.

Publicado em 02 dezembro 2014

1 comentários

Na semana que passou, dois times mineiros sagraram-se campeões nacionais: o Atlético (campeão da Copa do Brasil) e o Cruzeiro (campeão da série "A" do Campeonato Brasileiro). Esse fato inédito para o esporte mineiro desde que as duas competições passaram a coexistir deslocou o eixo de interesse do futebol nacional para Belo Horizonte. Ambos os clubes – que já têm participação garantida na edição de 2015 da Copa Libertadores das Américas – sabem que boa parte desse êxito decorreu da eficiente...
Leia mais »

Lições da Maior Derrota do Futebol Brasileiro

Publicado em 16 julho 2014

28 comentários

Muito já se disse e muito vai ser dito ainda sobre o retumbante fracasso da seleção brasileira nesta última Copa do Mundo, especialmente nos dois últimos jogos. Confesso que eu também me espantei com o tamanho e a forma da surra que nos foi aplicada pela Alemanha. Antes dela, estávamos todos docemente iludidos por uma fantasia que nós mesmos tínhamos criado, numa espécie de autoengano coletivo.Foi preciso acontecer o absurdo placar de 7 x 1 do Mineirão, seguido do 3 x 0 no Mané Garrincha, para...
Leia mais »