Pré-Sal e Petrobras (1)

Publicado em 26 novembro 2012

2 comentários

Na última década, os brasileiros acostumaram-se com a ideia, muito difundida pela mídia e por políticos, de que nós teríamos sido abençoados pelo milagre inesperado da descoberta do Pré-Sal e de que isso representaria a nossa redenção econômica definitiva. Era apenas uma questão de tempo e, depois, poderíamos "correr para o abraço" e dedicarmo-nos à alegre tarefa de repartir a nova riqueza. De fato, ao que se sabe, as nossas reservas de petróleo e gás poderão ser aumentadas em mais de 100 bilhões de boe (barris de óleo equivalente), circunstância que situaria o Brasil entre os países com as maiores quantidades explotáveis, presumidas na atualidade.

No entanto, não é tão simples e fácil correr para esse abraço comemorativo, como a realidade vem demonstrando tristemente. Primeiro é preciso fazer o "gol". Não é apenas uma questão das dificuldades tecnológicas e do montante de investimento requerido para extrair o óleo e o gás situados a centenas de quilômetros das nossas costas e em profundidades que frequentemente excedem quatro mil metros. É, antes de tudo, um desafio político, gerencial e administrativo. E a nossa atitude diante desse desafio está sendo um desastre.

A simples perspectiva da riqueza futura e incerta já foi suficiente para enormes trapalhadas políticas. Não estou mencionando a questão específica da polêmica modificação na regra de distribuição dos "royalties do petróleo" entre a União, os estados e os municípios, que ainda está por ser resolvida. Antes dela, utilizamos o pretexto da nova descoberta para revertermos avanços penosamente conquistados, incluindo aquele introduzido pela Lei n° 9.478/97 e que flexibilizava o anacrônico monopólio atribuído à Petrobras. Nessa apressada recaída, seduzidos pela perspectiva da riqueza fácil, fomos modificando as leis e regulamentos, introduzindo um anacrônico "regime de partilha", que acabou por transferir propriedades e direitos entre os brasileiros, o Estado e os acionistas da Petrobras, e gerando uma grande insegurança jurídica, além de uma não menos importante confusão orçamentária. Mas, esses não foram os maiores pecados.

Nesse cenário legal e político, os objetivos do Estado, do Governo e da Petrobras se embaralham e se confundem. Os riscos de não conseguirmos os meios para a exploração eficaz e rápida do Pré-Sal não são muito distintos daqueles a que estão expostos o próprio Estado, como sócio controlador, e os demais acionistas privados da Petrobras. Esse último aspecto cresce em importância quando se observa que as ações da Companhia representam, hoje, uma parcela significativa do patrimônio de muitas famílias e de um grande número de brasileiros que se aproveitaram das facilidades abertas pelo governo com vistas a estimular a transformação de depósitos pessoais do FGTS – Fundo de Garantia pelo Tempo de Serviço em aplicações nos papéis da petrolífera.

Pretendo abordar, em tópico subsequente deste blog, outros detalhes do confuso cenário político e legal descrito nos parágrafos antecedentes e os efeitos e implicações deste sobre a situação da própria Petrobras.
  • COMPARTILHE:

2 comentários para "Pré-Sal e Petrobras (1)"

carmelita dal posso
carmelita dal posso disse: 27 novembro 2012
Sou uma dona de casa, mas antenada nas coisas, gostei de sua explanação realista e que sim estão muito confuso o cenário referente ao assunto.
Rubens Menin
Rubens Menin disse: 28 novembro 2012
Olá Carmelita, agradeço o comentário deixado em meu blog.

Deixe uma resposta O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também

Reforma da Previdência

Publicado em 09 agosto 2017

A Reforma da Previdência voltou a ser o assunto do dia, embora ela nunca tivesse perdido a importância, mesmo quando eclipsada por episódios políticos cobertos pela imprensa com mais sensacionalismo. Na realidade, a nação precisa encarar esse desafio de frente, equilibrar o sistema e garantir a sua perenidade antes que a ruína se torne inevitável.A hesitação dos nossos congressistas e da representação política diante do Projeto de Emenda Constitucional enviado pelo governo para apreciação do...
Leia mais »

Uma Omissão Imperdoável

Publicado em 21 junho 2017

O empresariado brasileiro é composto, em sua grande maioria, por lideranças responsáveis e comprometidas com os princípios da ética e da cidadania que fazem prosperar uma nação. Por isso, seria natural que essa parcela preponderante – isoladamente ou por meio das entidades de classe – se manifestasse em todas as oportunidades em que esse padrão de comportamento deixasse de ser observado em alguma ocasião especial, por qualquer agente importante. No entanto, estamos vivendo uma dessas ocasiões,...
Leia mais »

O Indispensável Estado de Direito

Publicado em 08 junho 2017

Os constituintes de 1988 tiveram o cuidado de destacar na nossa Carta Magna as assim chamadas “cláusulas pétreas”, ou seja, os dispositivos permanentes que não podem ser eliminados ou substancialmente alterados, nem mesmo por Emenda Constitucional, ainda que esta venha a tramitar regularmente no Congresso Nacional. Não inovamos neste aspecto. Pelo contrário, esse cuidado tem sido observado em muitas outras circunstâncias e países. No nosso caso, cuidamos de proteger disposições importantes,...
Leia mais »

Operação Carne Fraca: Lições e Reflexões

Publicado em 20 março 2017

Quando se preparavam para encerrar mais uma semana nesta atribulada temporada, os brasileiros foram surpreendidos pelas notícias de uma mega operação deflagrada pela Polícia Federal e pelo Ministério Público, na última sexta-feira, sob o codinome de “Carne Fraca”. O alcance dessa operação, todos já conhecem: foram mobilizados mais de 1.100 agentes policiais em diversos estados e executados 309 mandados judiciais, incluindo prisões preventivas, prisões temporárias e conduções coercitivas, além...
Leia mais »

Manifestação de Confiança

Publicado em 31 outubro 2016

1 comentários

Ou, trocando em miúdos: "A maior indústria do Brasil passa por seu pior momento, mas existe uma luz no fim do túnel".Este ano de 2016 está sendo particularmente difícil para a indústria da construção civil brasileira. Evidentemente, esse setor não poderia passar ao largo da intensa crise financeira que assola o país, decorrente de um profundo e irresponsável desequilíbrio fiscal e que vem gerando, como conseqüência, recessão, descapitalização, perda generalizada de renda e desemprego. Ninguém...
Leia mais »