Manifestação de Confiança

Publicado em 31 outubro 2016

1 comentários

Ou, trocando em miúdos: "A maior indústria do Brasil passa por seu pior momento, mas existe uma luz no fim do túnel".


Este ano de 2016 está sendo particularmente difícil para a indústria da construção civil brasileira. Evidentemente, esse setor não poderia passar ao largo da intensa crise financeira que assola o país, decorrente de um profundo e irresponsável desequilíbrio fiscal e que vem gerando, como conseqüência, recessão, descapitalização, perda generalizada de renda e desemprego. Ninguém esperava, mesmo, um desempenho diferente para a construção civil nesse quadro recessivo. Grosso modo, a sua recuperação depende do sucesso da aposta que a nossa sociedade vem fazendo, ou pelo menos articulando, nas medidas econômicas saneadoras e destinadas à retomada geral do desenvolvimento.


No entanto, além do atrelamento inevitável ao desempenho geral da economia, a construção civil brasileira está tendo que lidar com algumas peculiaridades próprias do setor e do seu mercado, que agravam ainda mais o quadro problemático nacional. De fato, a queda nas vendas de novas unidades levou à prudente diminuição equivalente no número de novos lançamentos imobiliários. Mas, esse fluxo, que admitia algum controle empresarial, passou a ser agravado por uma importante variável exógena: o aumento exagerado no número de distratos. Essa circunstância adicional, além de produzir o inevitável desequilíbrio econômico e financeiro dos empreendimentos, acaba resultando, também, na elevação descontrolada dos estoques. Para completar esse quadro desfavorável, a construção imobiliária brasileira vem enfrentando, também, o mais baixo índice de confiança do mercado das últimas duas décadas.


O quadro de dificuldades abordado resumidamente no parágrafo precedente parece indicar, à primeira vista, um ambiente mais desfavorável para o setor da construção civil do que as turbulências gerais que assolam o conjunto da economia nacional. Mas, não é bem assim. As dificuldades desse setor estratégico extravasam os seus próprios limites e contribuem para agravar o quadro econômico geral. A construção civil é – e continua sendo – o maior segmento industrial do Brasil, contribuindo para a formação de 12% do PIB (Produto Interno Bruto) nacional. Da mesma forma, esse é o segmento que mais emprega no país, com um contingente ocupacional de 2,73 milhões de trabalhadores. Por isso, mas também pelos propósitos de suas atividades específicas, concentradas na tarefa de prover moradias seguras, higiênicas e adequadas aos estratos mais desfavorecidos da nossa população, o setor converteu-se no fator de maior indução ao desenvolvimento social do país. Como Presidente da ABRAINC – Associação Brasileira de Incorporadoras Imobiliárias, tenho tido a oportunidade de interagir com as maiores empresas de construção habitacional do Brasil e, também, de participar da organização dos dados setoriais (com a competente ajuda da FIPE – Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas), dados esses que são mensalmente divulgados pela própria Associação. O exame cuidadoso e continuado que faço desses indicadores, apesar de confirmarem o panorama adverso já mencionado, dão-me a convicção de que estamos no limiar de mudanças relativamente alvissareiras. Firmei essa convicção contando, também, com o cotejo entre os dados nacionais e os indicadores externos, cuja realidade conheço relativamente bem.


Com efeito, o Brasil é um dos poucos países do mundo a contar com uma indústria da construção civil razoavelmente sólida, sustentável, tecnologicamente atualizada e com boas perspectivas diante das projeções demográficas e econômicas. Os futuros consumidores da indústria habitacional brasileira, nascidos nos últimos 30 anos, constituem o portentoso contingente de 35 milhões de famílias que precisarão adquirir casa própria nos próximos anos. Uma demanda desse porte forçará, necessariamente, o seu equacionamento através de políticas e mecanismos eficazes de atendimento, justamente por tratar-se de um ponto socialmente muito sensível. Além disso, há que se considerar a eficácia de alguns mecanismos atuais de financiamento, que poderão ter a sua performance automaticamente melhorada com a esperada estabilização econômica. Realmente, o montante do crédito imobiliário no Brasil ainda é inferior a 10% do PIB, valor muito pequeno quando cotejado com as grandes economias mundiais. Há espaço para um crescimento robusto nesse particular. É por conta de tudo isso, que consolidei a minha visão esperançosa na recuperação próxima do setor da construção civil, resumidamente materializada na presente "Manifestação de Confiança".

  • COMPARTILHE:

1 comentários para "Manifestação de Confiança"

Rondinele Borges da silva
Rondinele Borges da silva disse: 31 outubro 2016
Trabalhei junto a MRV, entre os anos de 2000 a 2014. Bons momentos dessa indústria maravilhosa da construção civil. Infelizmente tivemos esse retrocesso, espero que consigamos consertar os erros cometidos por essa política econômica irresponsável.No mais, é só esperar que passe esse momento ruim, e assim, colocar para funcionar a todo vapor esse grande setor que é sem dúvida o mais relevante para as classes sociais mais baixas, pois gera emprego , e ajuda essa mesma classe à adquirir moradia digna. Como à constituição manda.

Deixe uma resposta O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também

Reforma da Previdência

Publicado em 09 agosto 2017

A Reforma da Previdência voltou a ser o assunto do dia, embora ela nunca tivesse perdido a importância, mesmo quando eclipsada por episódios políticos cobertos pela imprensa com mais sensacionalismo. Na realidade, a nação precisa encarar esse desafio de frente, equilibrar o sistema e garantir a sua perenidade antes que a ruína se torne inevitável.A hesitação dos nossos congressistas e da representação política diante do Projeto de Emenda Constitucional enviado pelo governo para apreciação do...
Leia mais »

Uma Omissão Imperdoável

Publicado em 21 junho 2017

O empresariado brasileiro é composto, em sua grande maioria, por lideranças responsáveis e comprometidas com os princípios da ética e da cidadania que fazem prosperar uma nação. Por isso, seria natural que essa parcela preponderante – isoladamente ou por meio das entidades de classe – se manifestasse em todas as oportunidades em que esse padrão de comportamento deixasse de ser observado em alguma ocasião especial, por qualquer agente importante. No entanto, estamos vivendo uma dessas ocasiões,...
Leia mais »

O Indispensável Estado de Direito

Publicado em 08 junho 2017

Os constituintes de 1988 tiveram o cuidado de destacar na nossa Carta Magna as assim chamadas “cláusulas pétreas”, ou seja, os dispositivos permanentes que não podem ser eliminados ou substancialmente alterados, nem mesmo por Emenda Constitucional, ainda que esta venha a tramitar regularmente no Congresso Nacional. Não inovamos neste aspecto. Pelo contrário, esse cuidado tem sido observado em muitas outras circunstâncias e países. No nosso caso, cuidamos de proteger disposições importantes,...
Leia mais »

Operação Carne Fraca: Lições e Reflexões

Publicado em 20 março 2017

Quando se preparavam para encerrar mais uma semana nesta atribulada temporada, os brasileiros foram surpreendidos pelas notícias de uma mega operação deflagrada pela Polícia Federal e pelo Ministério Público, na última sexta-feira, sob o codinome de “Carne Fraca”. O alcance dessa operação, todos já conhecem: foram mobilizados mais de 1.100 agentes policiais em diversos estados e executados 309 mandados judiciais, incluindo prisões preventivas, prisões temporárias e conduções coercitivas, além...
Leia mais »

Falsos Privilégios

Publicado em 26 setembro 2016

4 comentários

No início deste mês, o Ministro Geddel Vieira Lima pronunciou uma frase que alcançou grande repercussão, mesmo não tendo sido entendida, por muitos, em seu exato significado: "Tomei uma injeção e doeu. Doeu demais, mas fui convencido pelo médico de que era necessária e agora já estou me sentindo muito melhor". Com essa frase, o Ministro tentava explicar que, tal qual a injeção dolorida, as reformas previdenciária e trabalhista são absolutamente necessárias e que o governo teria que convencer a...
Leia mais »