Gestão Integrada das Regiões Metropolitanas

Publicado em 01 agosto 2013

2 comentários

Tenho mencionado com alguma frequência, tanto em textos mais recentes como em tópicos publicados há mais tempo neste blog, os efeitos da nossa elevadíssima taxa de urbanização, responsável por aglomerar nas cidades, quase 85% da população nacional. Analisei, com o detalhamento possível neste espaço, alguns impactos desse processo de intensa urbanização no mercado imobiliário, na organização do território e na desatualização precoce da infraestrutura das cidades. Todavia, quero acrescentar, agora, outro aspecto particular desse problema, que afeta de modo significativo a qualidade de vida das populações assentadas nas regiões conurbadas das grandes metrópoles brasileiras e que se apresenta especialmente oportuno.


Está em pauta nos debates nacionais, seja na sociedade civil, seja nas instâncias de governo, a necessidade de se promover uma ampla reforma política e administrativa. Esse assunto tornou-se uma prioridade atualíssima, principalmente após as recentes manifestações populares de protesto. Em decorrência disso, talvez venha a ocorrer, mesmo, alguma modificação legal na nossa forma de organização e de provimento das diversas instâncias do poder e da representação política. É nesse âmbito que, em minha opinião, merece ser analisada a questão do estabelecimento de uma instância administrativa metropolitana com efetividade operacional.


Existem hoje, no país, cerca de 60 Regiões Metropolitanas, sendo que dois terços delas foram formalmente estabelecidas, abrangendo mais de 10% dos municípios brasileiros e abrigando quase 45% da população nacional. Oito dessas Regiões Metropolitanas (São Paulo, Belo Horizonte, Porto Alegre, Recife, Salvador, Curitiba, Belém e Fortaleza) foram estabelecidas, pioneiramente, pela Lei Complementar N° 14, de 08.06.1973. A partir da vigência da Constituição Federal de 1988 passou a ser da competência dos estados federados a criação e implementação de novas Regiões Metropolitanas. E elas passaram a ser estabelecidas segundo critérios diferenciados. Mas, tanto as pioneiras, como as que se lhes seguiram, por falta de disposição constitucional, nunca foram concebidas como uma unidade política própria e independente.


O resultado dessa circunstância é a inexistência de unidade de gestão e planejamento no continuum das manchas conurbadas, deficiência que se mostra especialmente desastrosa nas questões relacionadas com o sistema viário, com a organização do território e ocupação do solo, com a drenagem urbana, com a política habitacional, com os sistemas de transporte, com os equipamentos de saúde e com muitas outras áreas estratégicas para a melhoria da qualidade de vida das respectivas populações. Essa deficiência básica fica especialmente potencializada nos contextos em que as diferentes partes de uma mesma mancha urbana são administradas por correntes políticas distintas que se antagonizam e se comportam de forma pouco cooperativa. Quase nunca se conseguem boas soluções integradas ou gestão política proativa no interesse geral mais amplo.


Admito que não seja uma tarefa fácil modificar a atual estrutura administrativa das Regiões Metropolitanas no âmbito de uma eventual reforma política.  Mas, caso surja a oportunidade e se ela vier acompanhada de boa disposição por parte dos decisores envolvidos, a experiência internacional poderá fornecer bons modelos e sistemas. Nos EUA, por exemplo, a governança supramunicipal é grandemente facilitada pela existência dos condados, dos distritos ou das paróquias, conforme o estado (sendo largamente majoritária a primeira opção, com média de 62 partições por estado), que têm um governo centralizado, democraticamente constituído e no âmbito dos quais são executadas as atividades de planejamento e gestão de todas as tarefas e serviços que extrapolem o interesse estritamente local das cidades e municípios. Outros bons exemplos também podem ser tirados da realidade de alguns países europeus e, até mesmo, do Japão, onde as "prefeituras" correspondem a um nível de abrangência territorial distinto do nosso. O importante é encarar essa necessidade, pelo impacto que uma administração racional e integrada, nas grandes cidades, poderá produzir na qualidade de vida das respectivas populações.

  • COMPARTILHE:

2 comentários para "Gestão Integrada das Regiões Metropolitanas"

Rubens Passos
Rubens Passos disse: 01 agosto 2013
Dr. Rubens

como assim condados?!
Marcelo Castro
Marcelo Castro disse: 19 agosto 2013
Sr. Rubens,

Parabéns pelos trabalhos que vem divulgando no seu blog e pela excelente gestão que faz a frente do grupo MRV.

Desculpe estar acessando desta forma, mais como não tenho seu e-mail e seus telefones, foi o canal encontrado.

Tenho 20 anos de experiência em Gestão Adm. Financeira, em empresas de médio e grande porte, como Gestor e Diretor em empresas multinacional e familiares, queria enviar o meu currículo e pode explicar minhas experiências pessoalmente.

Queria muito ter a oportunidade de contribuir com o crescimento do seu grupo.

Um abraço

Marcelo
61-84017489

Deixe uma resposta O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também

Reforma da Previdência

Publicado em 09 agosto 2017

A Reforma da Previdência voltou a ser o assunto do dia, embora ela nunca tivesse perdido a importância, mesmo quando eclipsada por episódios políticos cobertos pela imprensa com mais sensacionalismo. Na realidade, a nação precisa encarar esse desafio de frente, equilibrar o sistema e garantir a sua perenidade antes que a ruína se torne inevitável.A hesitação dos nossos congressistas e da representação política diante do Projeto de Emenda Constitucional enviado pelo governo para apreciação do...
Leia mais »

Uma Omissão Imperdoável

Publicado em 21 junho 2017

O empresariado brasileiro é composto, em sua grande maioria, por lideranças responsáveis e comprometidas com os princípios da ética e da cidadania que fazem prosperar uma nação. Por isso, seria natural que essa parcela preponderante – isoladamente ou por meio das entidades de classe – se manifestasse em todas as oportunidades em que esse padrão de comportamento deixasse de ser observado em alguma ocasião especial, por qualquer agente importante. No entanto, estamos vivendo uma dessas ocasiões,...
Leia mais »

O Indispensável Estado de Direito

Publicado em 08 junho 2017

Os constituintes de 1988 tiveram o cuidado de destacar na nossa Carta Magna as assim chamadas “cláusulas pétreas”, ou seja, os dispositivos permanentes que não podem ser eliminados ou substancialmente alterados, nem mesmo por Emenda Constitucional, ainda que esta venha a tramitar regularmente no Congresso Nacional. Não inovamos neste aspecto. Pelo contrário, esse cuidado tem sido observado em muitas outras circunstâncias e países. No nosso caso, cuidamos de proteger disposições importantes,...
Leia mais »

Operação Carne Fraca: Lições e Reflexões

Publicado em 20 março 2017

Quando se preparavam para encerrar mais uma semana nesta atribulada temporada, os brasileiros foram surpreendidos pelas notícias de uma mega operação deflagrada pela Polícia Federal e pelo Ministério Público, na última sexta-feira, sob o codinome de “Carne Fraca”. O alcance dessa operação, todos já conhecem: foram mobilizados mais de 1.100 agentes policiais em diversos estados e executados 309 mandados judiciais, incluindo prisões preventivas, prisões temporárias e conduções coercitivas, além...
Leia mais »

Manifestação de Confiança

Publicado em 31 outubro 2016

1 comentários

Ou, trocando em miúdos: "A maior indústria do Brasil passa por seu pior momento, mas existe uma luz no fim do túnel".Este ano de 2016 está sendo particularmente difícil para a indústria da construção civil brasileira. Evidentemente, esse setor não poderia passar ao largo da intensa crise financeira que assola o país, decorrente de um profundo e irresponsável desequilíbrio fiscal e que vem gerando, como conseqüência, recessão, descapitalização, perda generalizada de renda e desemprego. Ninguém...
Leia mais »