Futebol e etc.

Publicado em 02 dezembro 2014

1 comentários

Na semana que passou, dois times mineiros sagraram-se campeões nacionais: o Atlético (campeão da Copa do Brasil) e o Cruzeiro (campeão da série "A" do Campeonato Brasileiro). Esse fato inédito para o esporte mineiro desde que as duas competições passaram a coexistir deslocou o eixo de interesse do futebol nacional para Belo Horizonte. Ambos os clubes – que já têm participação garantida na edição de 2015 da Copa Libertadores das Américas – sabem que boa parte desse êxito decorreu da eficiente organização adotada no âmbito gerencial de cada um deles e da excelente estrutura das respectivas instalações especializadas. Mantidas constantes, essas condições, o mesmo êxito poderá se repetir no futuro imediato? Ou ainda, se o futebol de outros estados vier a se organizar da mesma forma, terá também chances de ser igualmente bem-sucedido, aqui e acolá? Essas são questões intrigantes e merecem mais reflexão.


O futebol sempre foi – e ainda é – uma paixão nacional. Pesquisa realizada pelo IBOPE por encomenda de um grande fabricante de cerveja constatou que 77% dos brasileiros consideram esse esporte como a sua maior paixão. Conforme já tive oportunidade de registrar em outros tópicos deste blog, o nosso grupo empresarial, encabeçado pela MRV Engenharia, reconhece a importância dessa paixão nacional e tem priorizado o futebol entre o elenco de atividades esportivas que temos patrocinado ou apoiado nos últimos quinze anos. Aliás, a nossa crescente posição como grandes patrocinadores esportivos decorre, justamente, da crença de que uma forte associação da nossa marca com atletas e clubes esportivos com grande reconhecimento e popularidade reforça a imagem corporativa da construtora, cria uma empatia natural com o público aficionado e forja um sentimento recíproco de intimidade respeitosa ou pertencimento, a partir da emoção compartilhada do esporte. Tudo isso são ingredientes que favorecem uma resposta positiva para as duas indagações feitas no parágrafo antecedente. Crença que fica ainda mais reforçada quando se constata que a arrecadação obtida pelos dois clubes nos três últimos jogos decisivos para as duas conquistas destacadas neste tópico, da ordem de US$ 3 milhões, apresentou-se na mesma magnitude das boas bilheterias européias. Em resumo, excluídas outras considerações haveria razões para se acreditar no grande potencial do futebol brasileiro e, portanto, no seu marketing esportivo.


No entanto, precisamos considerar, também, a circunstância de que, mesmo com tantas variáveis favoráveis – e sendo o Brasil um país muito populoso que alcançou o 6° posto no ranking das grandes economias mundiais – não conseguimos um padrão constante de boas arrecadações para os nossos grandes clubes. Estes, vistos como empresas ou empreendimentos, estão sempre endividados e freqüentemente têm que vender os seus melhores atletas para clubes europeus e de outros continentes, por pura necessidade de sobrevivência financeira e patrimonial. As causas não se resumem àquelas que já elenquei no tópico "Lições da Maior Derrota do Futebol Brasileiro", publicado logo após o massacre alemão dos inesquecíveis 7 x 1.


Os clubes brasileiros não estão financeiramente quebrados apenas em decorrência de má gestão, como sempre se apregoa. Essa até pode ser uma das causas, aqui e ali, mas no geral as razões principais são outras. Os clubes de futebol não são uma exceção no quadro geral da ineficiência nacional. Não conseguimos ser competitivos em quase todos os demais setores econômicos e empreendimentos. Todos os itens produzidos aqui ficaram caríssimos (automóveis, eletrodomésticos, material esportivo, etc.). Os clubes de futebol (e suas atividades) também perderam competitividade e se tornaram muito deficitários, com pouquíssimas exceções. Os fatores da baixa produtividade e do desequilíbrio financeiro são os mesmos de qualquer outro setor produtivo: Custo Brasil, Carga Tributária e elevadíssimos encargos trabalhistas gerados pelos atletas. Portanto, como resposta final às indagações que registrei no início, apesar do grande potencial que reconheço existir no futebol nacional, não acredito que o sucesso dos dois times mineiros neste ano, se replique facilmente no futuro sem que toda a nossa estrutura econômica seja modernizada e otimizada. Outros êxitos vão ocorrer, porque sempre terá de haver campeões, mas não será um prêmio automático e certo aos clubes que melhor se organizarem.

  • COMPARTILHE:

1 comentários para "Futebol e etc."

Marcus Zeringota
Marcus Zeringota disse: 02 dezembro 2014
Presidente, bom dia

2013 já foi um ano de conquistas: Cruzeiro Campeão do Brasileiro "A" e Atlético Campeão da Libertadores.
Em 2014 repetimos a façanha novamente e mostramos que os times mineiros e instituições podem manter-se no topo e bater recordes por anos. Isto devido à eficiência de vários setores: presidência e membros, funcionários e setores que vestem a camisa juntamente com o elenco. Celebramos o Brasileirão e Copa do Brasil, mais um título inédito! Se continuarmos mantendo esta realidade e não deixando de aprimorar creio que 2015 será repleto de novos títulos.
Rubens Menin
Rubens Menin disse: 19 março 2014
É verdade. Agradeço sua participação no Blog, Maria do Socorro.

Deixe uma resposta O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também

Uma decisão estratégica

Publicado em 16 setembro 2017

No próximo dia 18, o Conselho Deliberativo do Clube Atlético Mineiro reunirá os seus 467 membros para uma decisão estratégica. Tão importante, que eu, como atleticano apaixonado e como empresário obrigado pela função a considerar, permanentemente e de forma objetiva, o futuro no planejamento de cada empreendimento, ouso arriscar que esta será a decisão de maior relevância na história do clube. Os conselheiros decidirão se o Galo levará adiante ou não o projeto de implantação de seu próprio...
Leia mais »

É muito bom investir no esporte!

Publicado em 16 novembro 2016

1 comentários

Atualmente, a MRV Engenharia é a empresa privada brasileira que mais investe em marketing esportivo e no patrocínio de clubes e atletas. Levamos muito tempo para alcançar essa posição. Foi uma jornada. Mas, rendeu bons frutos e nos ensinou muito.Tudo começou em 1996, logo após os Jogos Olímpicos de Atlanta, onde as meninas do Brasil haviam conquistado a histórica Medalha de Bronze no voleibol de quadra. Apesar dessa importante vitória, algumas das nossas melhores atletas voltavam para casa sem...
Leia mais »

Como Afastar a Raposa do Galinheiro?

Publicado em 22 dezembro 2015

8 comentários

Ao contrário do que muita gente pensa, o futebol é o esporte mais popular do mundo, ou seja, é aquele com maior número de adeptos, praticantes e aficionados em todo o globo. Essa popularidade extravasou dos continentes originais, Europa e América do Sul, e passou a alcançar multidões na África e na Ásia, já ombreando com outras modalidades esportivas até mesmo nos EUA. Estima-se que, hoje em dia, o futebol movimente recursos financeiros da ordem de U$ 250 bilhões por ano, com as suas promoções,...
Leia mais »

A Fase Atual do Futebol no Brasil

Publicado em 30 julho 2015

1 comentários

Logo após o desastre da Copa perdida em 2014, publiquei neste blog o tópico "Lições da Maior Derrota do Futebol Brasileiro" em que esmiucei a necessidade de uma ampla reforma naquele esporte, alcançando jogadores, treinadores, árbitros, dirigentes, clubes, associações desportivas e demais instituições encarregadas do nosso futebol. Quando esperávamos uma reação imediata e eficiente àquela tragédia, descobrimos que o quadro poderia se deteriorar ainda mais. Tínhamos chegado ao fundo do poço, mas...
Leia mais »

Lições da Maior Derrota do Futebol Brasileiro

Publicado em 16 julho 2014

28 comentários

Muito já se disse e muito vai ser dito ainda sobre o retumbante fracasso da seleção brasileira nesta última Copa do Mundo, especialmente nos dois últimos jogos. Confesso que eu também me espantei com o tamanho e a forma da surra que nos foi aplicada pela Alemanha. Antes dela, estávamos todos docemente iludidos por uma fantasia que nós mesmos tínhamos criado, numa espécie de autoengano coletivo.Foi preciso acontecer o absurdo placar de 7 x 1 do Mineirão, seguido do 3 x 0 no Mané Garrincha, para...
Leia mais »