Falsos Privilégios

Publicado em 26 setembro 2016

4 comentários

No início deste mês, o Ministro Geddel Vieira Lima pronunciou uma frase que alcançou grande repercussão, mesmo não tendo sido entendida, por muitos, em seu exato significado: "Tomei uma injeção e doeu. Doeu demais, mas fui convencido pelo médico de que era necessária e agora já estou me sentindo muito melhor". Com essa frase, o Ministro tentava explicar que, tal qual a injeção dolorida, as reformas previdenciária e trabalhista são absolutamente necessárias e que o governo teria que convencer a sociedade disso para que os brasileiros se sintam igualmente melhores. Em outros termos, na opinião do Ministro, essas reformas, por mais doloridas ou impopulares que sejam, devem ser compreendidas como um remédio inevitável para a grave doença que atingiu a nossa economia e que nos ameaça de morte ou inanição.


No caso atual, a ameaçadora doença já está instalada e produzindo os seus pérfidos efeitos. Há que se combatê-la da forma mais enérgica, eficaz e inteligente possível, sem descuidar de também compreendê-la em suas origens e características. Com relação a essa última obrigação, a nossa sociedade já está se conscientizando rapidamente de que, na origem da crise econômica, está o desequilíbrio fiscal, ou seja, o desacerto que levou o Estado nacional a gastar mais do que arrecada, por um tempo demasiadamente longo. Esse mau hábito e a sua conseqüência inevitável – materializada no aumento exagerado do endividamento nacional e da despesa com juros – precisam ser revertidos, com o controle dos gastos públicos (equilíbrio fiscal) e com a melhoria na eficiência do Estado. Isso para que a crise não se agrave e para que, caso nos safemos da atual situação, a mesma doença não volte a nos atacar. Seria, portanto, ao mesmo tempo, um remédio e uma vacina.


Mas, além das medidas preventivas mencionadas no parágrafo antecedente e cuja necessidade já vêm sendo paulatinamente compreendida pela sociedade, não há como se evitar a aplicação de terapias corretivas com efeitos mais imediatos sobre a situação de caixa e de seu fluxo no horizonte próximo. É aí que aparece a analogia com a injeção mencionada pelo Ministro. Também é aqui que começam a aparecer os problemas mais difíceis de percepção e de aceitação geral, exigindo, efetivamente, explicações didáticas e bom convencimento. Trata-se de corrigir privilégios e distorções que, além de financeiramente insustentáveis, são profundamente injustos. E, conforme a filosofia já registrou, "privilégio" é toda vantagem que julgamos imerecida por ser desfrutada por outras pessoas ou grupos a que não pertencemos. Ninguém costuma reconhecer como privilégio o direito, o benefício, a imunidade ou a vantagem usufruída por si ou pelo seu próprio grupo em detrimento dos demais. A situação é a mesma se observado o conjunto do País, no que diz respeito ao desequilíbrio do sistema previdenciário. Muitos grupos detentores de privilégios não estão dispostos a ceder naquilo que consideram "conquistas" ou "direitos adquiridos", ainda que a estabilidade final fique comprometida. As reações já esboçadas até o momento atual contam bem essa estória, seja no que diz respeito à isonomia de tempo de aposentadoria entre gêneros, seja no que concerne à diferença de regime entre o funcionalismo público e os trabalhadores da iniciativa privada, ou ainda, naquilo que está mais visivelmente materializado na existência de benefícios sem lastro. Por causa disso, lidar convenientemente com esse assunto, exige muito mais do que uma simples estratégia de convencimento. Este somente poderá ser alcançado como uma espécie de pacto geral, onde cada um se convença de que a situação (custos e benefícios) deve ser igualmente equilibrada para todos, dentro de um padrão possível ou viável, sem qualquer espécie de privilégio, ou seja, sem espertezas e vantagens indevidas. Pessoalmente, estou convencido de que o melhor ingrediente na elaboração desse pacto é a exposição eficiente e clara de que os privilégios desfrutados atualmente por grupos diversos são, na realidade, falsos. Falsos porque insustentáveis financeiramente em um horizonte relativamente próximo, quando o desequilíbrio do sistema irá comprometer fatalmente a sua própria garantia de desembolso a cada mês ou período. Por mais dantesco que seja esse quadro, ele corresponde à realidade que nos espera caso não tenhamos o juízo ou a competência para introduzir, de pronto, as mudanças e correções necessárias. Uma antevisão branda dessa calamidade está sendo propiciada pela situação falimentar de alguns estados brasileiros, cujas folhas salariais (de ativos e aposentados) estão sendo quitadas em meio a soluços e engasgos.

  • COMPARTILHE:

4 comentários para "Falsos Privilégios"

joao
joao disse: 12 outubro 2016
Muito boa a matéria.. parabéns ao site
Antônio León
Antônio León disse: 13 outubro 2016
Parabéns, Senhor Presidente, excelente artigo.

Atenciosamente,

Antonio Leon
Marcos Gabbai
Marcos Gabbai disse: 31 outubro 2016
Caro Rubens, primeiramente agradeço pelo excelente conteúdo de seus textos, que são de grande valia para o nosso mercado. Aproveito para demonstrar meu enorme interesse em participar do grupo de empresas que compõem a Abrainc. Já os contatei por email, mas ainda não obtive retorno. Tenho uma incorporadora de médio porte focada em MCMV com Geric próprio, e gostaria de poder representar dentro da Abainc os mais de 60% do nosso setor composto por incorporadoras e construtoras deste porte. Agradeço se puder me abrir um canal para conversarmos a respeito. Um abraço.
Caio César Perdigão
Caio César Perdigão disse: 04 novembro 2016
Excelente Artigo.

Deixe uma resposta O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também

Reforma da Previdência

Publicado em 09 agosto 2017

A Reforma da Previdência voltou a ser o assunto do dia, embora ela nunca tivesse perdido a importância, mesmo quando eclipsada por episódios políticos cobertos pela imprensa com mais sensacionalismo. Na realidade, a nação precisa encarar esse desafio de frente, equilibrar o sistema e garantir a sua perenidade antes que a ruína se torne inevitável.A hesitação dos nossos congressistas e da representação política diante do Projeto de Emenda Constitucional enviado pelo governo para apreciação do...
Leia mais »

Uma Omissão Imperdoável

Publicado em 21 junho 2017

O empresariado brasileiro é composto, em sua grande maioria, por lideranças responsáveis e comprometidas com os princípios da ética e da cidadania que fazem prosperar uma nação. Por isso, seria natural que essa parcela preponderante – isoladamente ou por meio das entidades de classe – se manifestasse em todas as oportunidades em que esse padrão de comportamento deixasse de ser observado em alguma ocasião especial, por qualquer agente importante. No entanto, estamos vivendo uma dessas ocasiões,...
Leia mais »

O Indispensável Estado de Direito

Publicado em 08 junho 2017

Os constituintes de 1988 tiveram o cuidado de destacar na nossa Carta Magna as assim chamadas “cláusulas pétreas”, ou seja, os dispositivos permanentes que não podem ser eliminados ou substancialmente alterados, nem mesmo por Emenda Constitucional, ainda que esta venha a tramitar regularmente no Congresso Nacional. Não inovamos neste aspecto. Pelo contrário, esse cuidado tem sido observado em muitas outras circunstâncias e países. No nosso caso, cuidamos de proteger disposições importantes,...
Leia mais »

Operação Carne Fraca: Lições e Reflexões

Publicado em 20 março 2017

Quando se preparavam para encerrar mais uma semana nesta atribulada temporada, os brasileiros foram surpreendidos pelas notícias de uma mega operação deflagrada pela Polícia Federal e pelo Ministério Público, na última sexta-feira, sob o codinome de “Carne Fraca”. O alcance dessa operação, todos já conhecem: foram mobilizados mais de 1.100 agentes policiais em diversos estados e executados 309 mandados judiciais, incluindo prisões preventivas, prisões temporárias e conduções coercitivas, além...
Leia mais »

Manifestação de Confiança

Publicado em 31 outubro 2016

1 comentários

Ou, trocando em miúdos: "A maior indústria do Brasil passa por seu pior momento, mas existe uma luz no fim do túnel".Este ano de 2016 está sendo particularmente difícil para a indústria da construção civil brasileira. Evidentemente, esse setor não poderia passar ao largo da intensa crise financeira que assola o país, decorrente de um profundo e irresponsável desequilíbrio fiscal e que vem gerando, como conseqüência, recessão, descapitalização, perda generalizada de renda e desemprego. Ninguém...
Leia mais »