EDUCAÇÃO (2)

Publicado em 27 junho 2013

Uma das fontes de informação que utilizei para desenvolver, neste mesmo blog, a série "A Engenharia e seu Ensino" foi o relatório "Panorama da Educação – 2012", elaborado pela OCDE - Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico, englobando estudos minuciosos sobre a realidade da educação nos 34 países membros e em outras oito nações que integram o G20 (incluindo o Brasil). Naquela ocasião, aproveitei a mencionada fonte para extrair os dados que me interessavam acerca do investimento de cada país na formação de seus estudantes de nível superior. Na presente abordagem, de âmbito mais geral, pretendo aproveitar a mesma fonte de dados para embasar outras interpretações.


Com efeito, segundo o relatório da OCDE, o Brasil gasta, em média, US$ 2.646,83 (valores do ano de 2009) no custeio escolar anual de cada um dos seus alunos, em todos os níveis, ou seja, desde a pré-escola até a universidade. É muito pouco, principalmente quando se considera que esses números médios estão influenciados, para maior, pelos nossos elevados dispêndios com a educação superior, conforme mostrei na mencionada série. Gastamos, por aluno-ano em todos os níveis, cerca de 25,5% do que gastam, em média, as 42 nações consideradas no estudo da OCDE e pouco mais de 29% do dispêndio médio dos 21 países que compõem a União Europeia. Precisamos aumentar isso rapidamente se quisermos melhorar a qualificação dos brasileiros e a nossa produtividade geral. De todo modo, e apenas para embasar um raciocínio simples, se considerarmos como sendo de 20 anos a duração total da formação escolar necessária à conclusão do ensino superior e admitindo uma taxa de câmbio de 2,10 R$/US$, o custeio escolar de cada profissional formado no país, segundo os parâmetros nacionais de 2009, terá sido, em média, de R$ 111.167,03.


Evidentemente, aumentar os investimentos e as dotações orçamentárias destinadas à educação, por si só, não é uma garantia de que alcançaremos as melhorias desejadas nesse estratégico setor. Isso tem que ser acompanhado também, entre outras providências, por melhorias efetivas no sistema de gestão da rede escolar e nos métodos pedagógicos gerais. Além disso, precisamos estar conscientes de que as respostas a esses estímulos não são imediatas. A formação de um profissional de ponta demanda, pelo menos, de 20 a 25 anos, se considerados os estágios da educação básica compatível e o treinamento inicial no mercado de trabalho. Até lá, como tratar as carências nacionais imediatas de muitos setores que se ressentem, fortemente, da falta de mão de obra qualificada, principalmente aquela com formação superior?


Circunstancialmente, a persistente crise econômica que se abateu sobre a Europa vem trazendo, como consequência para muitos países daquele continente, problemas sérios de empregabilidade para um numeroso contingente de profissionais qualificados, incluindo, justamente, algumas especialidades que nos fazem mais falta no momento (engenheiros, médicos, odontólogos, técnicos em informática, etc.). Atrair esses imigrantes qualificados através de uma Política de Estado específica, com os incentivos apropriados, pode ser uma boa solução de oportunidade, não apenas pelo valor econômico que cada um desses profissionais pode representar (custo de formação) como também, e principalmente, pela sua disponibilidade no curto prazo das nossas necessidades.

  • COMPARTILHE:

Deixe uma resposta O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também

Propósito

Publicado em 04 junho 2018

1 comentários

No mês de maio passado, tive a chance de participar de um extraordinário curso (Executive Program) na Singularity University, organização acadêmica estrategicamente localizada no Vale do Silício, na Califórnia. Já há algum tempo, eu vinha acompanhando o desempenho dessa Universidade, interessado no experimento educacional da instituição fundada pelo icônico Raymond Kurzweil, Diretor de Engenharia da Google e referência mundial para assuntos ligados à Inteligência Artificial. Agora, aparecendo a...
Leia mais »

Viva a Diversidade!

Publicado em 25 janeiro 2018

4 comentários

Somos o país dos desperdícios. Mais do que isso: não sabemos tirar proveito das coisas boas que temos, principalmente quando elas nos foram dadas de presente pela natureza, pelo acaso ou pela história. Muitas vezes, não tiramos proveito delas porque simplesmente não as identificamos e nem as reconhecemos como coisas valiosas. Outras vezes, até chegamos a enxergar o seu valor ou o seu potencial, mas não conseguimos nos organizar para conviver com muitas dessas riquezas e, quase sempre,...
Leia mais »

Eficiência na Gestão Pública

Publicado em 30 setembro 2015

7 comentários

O atendimento no sistema público de saúde já vem sendo questionado e criticado pelos brasileiros há muito tempo. De fato, ao contrário de muitas outras nações (inclusive algumas tidas como desenvolvidas) optamos, aqui, por um sistema básico de saúde, de natureza pública, para assistência gratuita e universal. Foi uma decisão política nacional que vem se consolidando ao longo do tempo, criando expectativas de direitos e, por isso mesmo, alimentando as justas queixas pelas deficiências...
Leia mais »

A importância do Capital Cívico para uma nação

Publicado em 25 agosto 2015

14 comentários

No item anterior deste blog mencionei o livro de Alain Peyrefitte, publicado no Brasil com o título "A Sociedade de Confiança", É uma esplêndida obra de referência. Nela, o intelectual francês e homem de larga experiência política (onze vezes ministro de Estado) apresentou dados copiosos para embasar a suas convicções de como teriam ocorrido o desenvolvimento europeu e a estruturação das sociedades naquele continente. No conjunto, ressalta a proeminência da "confiança", ingrediente essencial...
Leia mais »

Filantropia

Publicado em 11 agosto 2015

3 comentários

Muito já se especulou e se disse sobre a influência das raízes culturais (incluindo valores, princípios e circunstâncias) sobre as atitudes e comportamentos característicos dos diversos povos e sociedades. Não pretendo aventurar-me nesses meandros sociológicos e filosóficos, tanto porque muitos ainda comportam preferências e controvérsias, como também e principalmente pelo fato de que pretendo abordar, no espaço restrito deste tópico, apenas os hábitos nacionais relacionados com a filantropia,...
Leia mais »