Assassinatos no Brasil, como reduzir?

Publicado em 16 dezembro 2014

4 comentários

A cada hora, cerca de 7,3 homicídios são cometidos no Brasil, o que corresponde ao absurdo número de 64.357 brasileiros assassinados por ano, sendo que a grande maioria deles é de jovens. Esse número de óbitos violentos é muito superior ao observado em quase todas as guerras, incluindo algumas atuais, travadas com reconhecida violência ou crueldade. Um estudo recentemente elaborado pelo Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime e divulgado em Genebra aponta que a taxa de mortes violentas no Brasil alcança 32,4 óbitos para cada grupo de 100 mil brasileiros. Segundo outro estudo, elaborado pelo Instituto Avante Brasil, nos últimos 31 anos, 1,2 milhão de brasileiros foram assassinados. Todos esses números são vergonhosamente absurdos e colocam o nosso país entre os primeiros do "ranking" mundial dessa espécie de barbaridade.


Não podemos continuar nessa toada, que piora a cada novo ano. Os brasileiros, especialmente aqueles que moram nas grandes metrópoles, já não ouvem falar de assassinatos apenas pelos jornais ou pelo noticiário da televisão. Isso passou a fazer parte de sua própria realidade próxima. Quase todos têm um parente, amigo, colega, vizinho ou conhecido vítima de assassinato ou de outras formas de violência urbana. Mas, apesar da proximidade e da banalização do tema, não podemos nos acostumar com essa doença. Temos que reagir. Precisamos organizar e praticar uma estratégia objetiva e eficaz para reduzir os números que nos colocam nesse pódio indecoroso, no qual jamais deveríamos ter subido.


Evidentemente, para ter sucesso, uma estratégia dessa natureza teria que ser estabelecida e apoiada pelos poderes constituídos, ou seja, pelas autoridades governamentais de todos os níveis federativos. Mas, não poderia dispensar, também, a ação engajada de instituições não governamentais e da própria sociedade civil. Quero dizer, este terá que ser um projeto abraçado com empenho e obstinação por todas as instâncias e por todos os cidadãos (ou pelo menos pela grande maioria deles). Temos que estabelecer metas ou paradigmas a serem alcançados em um numeroso leque de atividades e setores, já que muitos são os fatores responsáveis pelo estágio de violência em que o país foi lançado. Muitos desses fatores não costumam, sequer, ser vislumbrados pelos especialistas, autoridades e instituições que lidam com esse problema.


Estou convencido, por exemplo, de que parte significativa do estímulo atual à pratica da violência surgiu com o tratamento leniente de criminosos, por parte da mídia, do judiciário, das autoridades e da própria sociedade civil. Isso estaria sendo a conseqüência natural da disseminação de idéias enganosas, segundo as quais haveria uma certa "criminalidade virtuosa". Ou seja, muitos divulgam a explicação simplista de que, por trás da violência estaria escondida a desigualdade social, consolidando uma cultura de aceitação da "criminalidade virtuosa", que por direito teriam aqueles dos segmentos mais pobres e discriminados da sociedade. Em sistemas jurídicos civilizados não prosperou qualquer doutrina baseada na tipificação de crimes virtuosos e de crimes vis, dependendo do status social ou econômico de quem os pratica. Seria o equivalente a admitirmos que: assassinar com calibre 38 não pode, mas com calibre 22 é justificável, porque é pequeno e o furinho é menor. Aliás, a realidade internacional demonstra exatamente isso: muitos países com indicadores econômicos e sociais piores do que os nossos apresentam taxas de criminalidade bem menores do que as brasileiras. São conceitos dessa natureza que embasam experimentos muito exitosos como o "tolerância zero", responsável pela enorme redução na taxa de criminalidade de Nova York.


Temos que substituir uma cultura pela outra. E conscientizar a sociedade de que a prática de princípios éticos e morais (incluindo o respeito à Lei) é um ingrediente indispensável para que se alcancem metas de redução claramente divulgadas e objetivamente perseguidas. Para essa conscientização e para o acompanhamento do controle das metas, não seria muito despropositado criar, nas grandes metrópoles, equipamentos aos quais poderia ser atribuído o nome de "assassinômetro", por analogia com o "impostômetro" implantado em uma das principais avenidas de São Paulo.

  • COMPARTILHE:

4 comentários para "Assassinatos no Brasil, como reduzir?"

marcos seidel
marcos seidel disse: 16 dezembro 2014
Um otimo texto, com um assunto que deve estar sempre em discussão para o bem da segurança publica e da população. Não o único mas o grande responsável pela impunidade e o inquérito policial. Um procedimento ultrapassado que pelo seu tramite chega a SOMENTE 8% da autoria dos crimes, no máximo. Somente em três países existe inquérito: Brasil, Uganda e Quênia (viram como estamos bem comparados?). O certo seria policiais com experiencia de rua, assim, chefiando por mérito e experiência, investigando e concluindo diretamente ao ministerio público, que ofereceria a denuncia ao juiz, sem atravessadores, dando celeridade a justica.
ricardo
ricardo disse: 02 janeiro 2015
Happy 2015!!! Rubens e seu post foi otimo!!! Aprovado seu indicar visando a melhoria.
ricardo aguiar
ricardo aguiar disse: 02 janeiro 2015
Happy 2015!!! Rubens e seu post foi otimo!!! Aprovado seu indicar visando a melhoria.
antonio gomes
antonio gomes disse: 10 fevereiro 2015
... A solução é SIMPLES e urgente: uma grande diferença entre punição para crimes sem violência (furto, estelionato...) e crimes com violência (assaltos à mão armada, sequestro, assassinatos...). Incluindo aí também uma boa diferença de condições de cárcere, de presídio. Uma punição muito maior, mais "dura" para os crimes violentos e uma punição leve para crimes sem violência resultariam numa rápida migração: muitos que hoje cometem crimes violentos passariam a cometer crimes sem violência, já pensando na possibilidade de serem presos, pensando no futuro. É também LAMENTÁVEL que a sociedade brasileira reclame tanto da violência, com passeatas, etc, mas na hora de votar naqueles que fazem as leis ou podem mudá-las (os legisladores , os políticos do Congresso Nacional), votem nos políticos que querem tudo como está, que não querem redução da maioridade penal, que não querem aumento das penas para os violentos.... Assim, absolutamente NADA vai mudar..... Enfim, é um ABSURDO sermos tolerantes com os violentos, dando a esses penas que permitam que, em pouco tempo, voltem às ruas para cometer a mesma violência.... ou pior!

Deixe uma resposta O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também

Reforma da Previdência

Publicado em 09 agosto 2017

A Reforma da Previdência voltou a ser o assunto do dia, embora ela nunca tivesse perdido a importância, mesmo quando eclipsada por episódios políticos cobertos pela imprensa com mais sensacionalismo. Na realidade, a nação precisa encarar esse desafio de frente, equilibrar o sistema e garantir a sua perenidade antes que a ruína se torne inevitável.A hesitação dos nossos congressistas e da representação política diante do Projeto de Emenda Constitucional enviado pelo governo para apreciação do...
Leia mais »

Uma Omissão Imperdoável

Publicado em 21 junho 2017

O empresariado brasileiro é composto, em sua grande maioria, por lideranças responsáveis e comprometidas com os princípios da ética e da cidadania que fazem prosperar uma nação. Por isso, seria natural que essa parcela preponderante – isoladamente ou por meio das entidades de classe – se manifestasse em todas as oportunidades em que esse padrão de comportamento deixasse de ser observado em alguma ocasião especial, por qualquer agente importante. No entanto, estamos vivendo uma dessas ocasiões,...
Leia mais »

O Indispensável Estado de Direito

Publicado em 08 junho 2017

Os constituintes de 1988 tiveram o cuidado de destacar na nossa Carta Magna as assim chamadas “cláusulas pétreas”, ou seja, os dispositivos permanentes que não podem ser eliminados ou substancialmente alterados, nem mesmo por Emenda Constitucional, ainda que esta venha a tramitar regularmente no Congresso Nacional. Não inovamos neste aspecto. Pelo contrário, esse cuidado tem sido observado em muitas outras circunstâncias e países. No nosso caso, cuidamos de proteger disposições importantes,...
Leia mais »

Operação Carne Fraca: Lições e Reflexões

Publicado em 20 março 2017

Quando se preparavam para encerrar mais uma semana nesta atribulada temporada, os brasileiros foram surpreendidos pelas notícias de uma mega operação deflagrada pela Polícia Federal e pelo Ministério Público, na última sexta-feira, sob o codinome de “Carne Fraca”. O alcance dessa operação, todos já conhecem: foram mobilizados mais de 1.100 agentes policiais em diversos estados e executados 309 mandados judiciais, incluindo prisões preventivas, prisões temporárias e conduções coercitivas, além...
Leia mais »

Manifestação de Confiança

Publicado em 31 outubro 2016

1 comentários

Ou, trocando em miúdos: "A maior indústria do Brasil passa por seu pior momento, mas existe uma luz no fim do túnel".Este ano de 2016 está sendo particularmente difícil para a indústria da construção civil brasileira. Evidentemente, esse setor não poderia passar ao largo da intensa crise financeira que assola o país, decorrente de um profundo e irresponsável desequilíbrio fiscal e que vem gerando, como conseqüência, recessão, descapitalização, perda generalizada de renda e desemprego. Ninguém...
Leia mais »